RN Deve Receber Mais de 500 Milímetros de Chuva Nos Próximos 3 Meses

RN Deve Receber Mais de 500 Milímetros de Chuva Nos Próximos 3 Meses

A previsão no Rio Grande do Norte para o próximo trimestre é de chuvas dentro da normalidade. São esperados para os meses de maio, junho e julho de 2020 volumes de chuva de 559.7 milímetros(mm) para o Leste, 226,4 mm para o Agreste, 175,2 mm para o Oeste e 133,1 mm para a Central.
A análise foi feita durante a II Reunião de Análise e Previsão Climática para o Setor Leste do Nordeste de 2020, realizada nesta quinta-feira (23) pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH/AL. O Chefe da Unidade de Meteorologia da Empresa de Pesquisa Agropecuária- EMPARN, Gilmar Bristot, participou por vídeoconferência.
Conforme as análises dos meteorologistas- a partir de resultados dos modelos disponibilizados por diversos institutos como Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE/CPTEC), Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) e Fundação Cearense de Meteorologia (FUNCEME)-a Zona de Convergência Intertropical (ZCIT) deverá se afastar do RN no mês de maio, porém com o aquecimento das águas do Oceano Atlântico próximo ao litoral poderão ocorrer chuvas mais intensas nesta região.
“As águas superficiais do Oceano Atlântico próximo do Litoral Leste do RN estão mais quentes do que o normal, com 29°C, em torno de 1,5ºC acima do normal e com isso existe a possibilidade também de ocorrência de chuvas intensas durante os próximos 3 meses”, comentou Bristot.
Outro ponto levantado na reunião é sobre a tendência de resfriamento no Oceano Pacífico Equatorial. “Esse refriamento mostra uma condição de neutralidade para os próximos meses e com tendência de  formação do Fenômeno La Niña a partir do mês de agoste de 2020”, explicou.
Participaram também da reunião, especialistas dos órgãos dos Estados do Ceará (Fundação Cearense de Meteorologia – FUNCEME), Paraíba (Agência Executiva de Gestão de Águas – AESA),  Sergipe  (Secretaria de Estado de Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade SEDURBS), Bahia (Instituto de Meio Ambiente e Recursos Hídricos – INEMA), como também o Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos/Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – CPTEC/INPE e o Instituto Nacional de Meteorologia (INMET).


* Robson Pires