Suíça é o 1º país a registrar vacina da Pfizer em procedimento padrão

Suíça é o 1º país a registrar vacina da Pfizer em procedimento padrão
Suíça é o 1º país a registrar vacina da Pfizer em procedimento padrão

A Suíça registrou neste sábado (19.dez.2020) a vacina da Pfizer/BioNTech contra a covid-19. É a 1ª autorização enquadrada no “procedimento padrão”, isso é, que não segue o rito do “uso emergencial”. Nesse 2º caso, apenas grupos específicos podem ser imunizados.

Agora, com o estabelecimento do “procedimento padrão”, pessoas a partir de 16 anos são incluídas no processo.

Os números de casos confirmados e de mortes têm alcançado recordes neste fim de ano na Suíça. O país, de 8,5 milhões de habitantes, registra diariamente 4.000 novos casos da doença e mais de 100 mortes. Desde o início da pandemia, foram contabilizados 403.989 casos confirmados e 6.561 mortes por covid-19.

Após um exame meticuloso das informações disponíveis, a Swissmedic chega à conclusão de que a vacina Covid-19 da Pfizer / Biontech é segura. Seus benefícios superam os riscos”, disse a autoridade suíça de vigilância de medicamentos e dispositivos médicos em comunicado.

O registro em processo normal acontece 2 meses depois do recebimento do pedido pela Swissmedic. A agência afirma que as pessoas vacinadas terão proteção superior a 90% após 7 dias da 2ª vacinação. Diz ainda que monitora de perto a segurança da vacina. Os efeitos colaterais mais comuns documentados nos estudos de aprovação são comparáveis, segundo o organismo suíço, ​​àqueles sentidos depois da vacinação contra a gripe.

Registros pelo mundo

Nos Estados Unidos, a agência regulatória FDA (Food and Drug Administration) reconheceu a eficácia de 94,1% da vacina da Moderna e autorizou na 6ª feira (18.dez) o uso emergencial do imunizante. A autorização emergencial, diferentemente do procedimento padrão, significa que ela será distribuída e aplicada enquanto a agência continua avaliando os dados para dar aprovação final.

Antes, na semana passada, a FDA já havia aprovado o imunizante da Pfizer/BioNTech. Os Estados Unidos iniciaram a distribuição das doses da Pfizer em 14 de dezembro.

A Rússia informou em 30 de novembro que já vacinava a população. O país registrou em setembro a vacina Sputnik V, que agora é aplicada em hospitais de Moscou.

Situação no Brasil

O Ministério da Saúde disse que não há ainda uma data certa para o início da campanha de imunização no país. Isso porque a liberação para o começo do processo depende da aprovação de alguma vacina pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Memorandos de intenção de compras já foram devidamente firmados pela pasta com uma série de laboratórios, conforme divulgado. Para que possa ser estabelecido um cronograma, entretanto, é necessário ter uma ou mais vacinas aprovadas e registradas pela Anvisa, o que garantirá segurança aos brasileiros. Atingida essa etapa, as informações relativas aos processos de compra e distribuição serão divulgadas”, diz o texto.

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse nessa 5ª feira (17.dez) que o Brasil conta com 24,7 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 em janeiro de 2021. O cálculo engloba:

  • 15 milhões de doses da vacina da AstraZeneca, produzida pela Fiocruz;
  • 9 milhões de doses da CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantan;
  • 500 mil de doses da vacina da Pfizer.

O ministro disse que, para fevereiro, são esperadas as entregas de mais 37,7 milhões de doses (15,2 milhões da AstraZeneca; 22 milhões do Butantan e 500 mil da Pfizer). Em março, esperam-se 31 milhões de doses.

A Fiocruz informou ao Poder360 ter 1 cronograma diferente do informado pelo ministro da Saúde. Segundo a Fundação, que fabricará as vacinas desenvolvidas em parceria por AstraZeneca e Universidade de Oxford, os insumos necessários para a fabricação nos laboratórios de Bio-Manguinhos chegam ao país em janeiro. A 1ª entrega, de 30 milhões de doses, será em fevereiro. Não há previsão de entrega em janeiro.

 

PODER 360